Notícias

14/07/2019   14/07/2019 10h04 | A+ A- | 357 visualizações

64º Conad terá manifesto em defesa do ensino superior público

Comissão tirada no evento fez proposta de documento que rebate projeto do governo


Participantes do 67º Conad aprovarão manifesto contra programa privatista do governo federal

As informações extra-oficiais, publicadas por jornal de circulação nacional, somadas a um convite feito aos reitores pelo Ministério da Educação (MEC), acenderam o sinal de alerta entre os docentes que participam do 64º Conad, em Brasília. Em função de que o que foi divulgado pela imprensa, até o momento, coloca em risco o projeto de manutenção da universidade pública e gratuita, durante a plenária tema II, na tarde de sábado, 13, foi sugerido que o encontro do sindicato abrisse um espaço para discutir essas medidas do governo Bolsonaro, que devem ser anunciadas oficialmente na próxima terça, 16 de julho.

Houve consenso entre diretoria do ANDES-SN e os presentes ao encontro, de que por mais que não se tenha tido oficialmente acesso ao conteúdo do que o governo Bolsonaro irá apresentar, imperiosa a necessidade de tirar uma posição coletiva a respeito desse assunto, aproveitando a representatividade do Conad, com mais de 230 participantes.

A partir desse entendimento majoritário, foi indicada uma comissão com seis nomes para a elaboração de um manifesto. Conforme o presidente do ANDES-SN, professor Antonio Gonçalves, mesmo que não haja um documento oficial do governo, as linhas gerais já vêm sendo explicitadas há algum tempo. O esboço do documento foi distribuído na plenária do 64º Conad ainda na  noite de sábado. Contudo, a versão final só será divulgada publicamente após discussão e deliberação pelo plenário do evento, o que deve ocorrer neste domingo (14), último dia do encontro.

Conforme a primeira versão do “manifesto”, a partir do que foi divulgado pela imprensa, foi colocado que o “Programa ministerial promoverá o mais profundo ataque à universidade pública, ferindo a autonomia universitária e impondo categoricamente sua privatização”. O documento cita trecho de matéria do ‘Valor Econômico’ na qual consta que “com relação às universidades públicadas, elas deixarão de ser autarquias (...)não estarão subordinadas ao regime jurídico de direito público. Com isso, a política de cobrança de mensalidades será implantada, e as contratações passarão a ocorrer pelo regime celetista ou de contrato temporário”.

Diz ainda o esboço de manifesto que “precisamos estar atentos e preparados para o enfrentanento à altura da gravidade dos ataques anunciados, mobilizando a categoria docente e articulando a luta com todos os segmentos da comunidade universitária, dos IF e Cefets, em articulação com os mais amplos setores sociais para combatermos os ataques deste programa ministerial, em defesa da universidade pública e gratuita”.

A comissão responspavel pela elaboração do manifesto, referendada na plenária do Conad:

Mariana Trotta (UFRJ)- pela diretoria do ANDES-SN;

Jacob Paiva- ADUA

Luis Antonio Pasquetti- ADUnB

Claudio Ribeiro- ADUFRJ

Alyne Souza-  Sindifpi

Eudes Baima (Sinduece).

 

Texto e foto: Fritz R. Nunes

Assessoria de imprensa da sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2019 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet