ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

03/04/2020   03/04/20 17h31 | A+ A- | 816 visualizações

Professores de Economia e Relações Internacionais da UFSM lançam manifesto

Texto aborda situação econômica e social do país e diz ser falsa a dicotomia entre direito à saúde e direito ao trabalho


Um total de 19 professores que integram o departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSM divulgou na tarde desta sexta, 3, um manifesto sobre a situação econômica e social do país. Um dos aspectos abordados no documento é a discussão que tem causado posições acirradas: ficar em casa, em isolamento, ou ir trabalhar para não perder o emprego. Para os docentes, o debate que estabelece uma oposição entre direito à vida (defesa da saúde) e direito ao trabalho (defesa do emprego e da sobrevivência) é uma falsa dicotomia. “O valor ético associado ao ser humano é incomparável ao valor econômico dos bens. Não há uma permuta possível entre esses dois valores”, destaca trecho do manifesto.

Conforme o texto, “a garantia do emprego e do trabalho além de ser a essência da Economia tem necessariamente um caráter ético e político-social. Isso significa que para defender o Direito à Vida temos que defender o Direito ao Trabalho, o que se traduz em políticas públicas para sustentar a sobrevivência das pessoas”.

Na análise dos professores da área de Economia e também de Relações Internacionais, é óbvio que o isolamento social recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) irá ter um “impacto negativo sobre a demanda agregada da economia”. Todavia, analisam, é justamente por isso que o Estado precisa agir, e de uma forma que não seja dentro da racionalidade que rege o setor privado. A chave dessa equação, avaliam eles, é que “a solução passa pela elevação do gasto que não depende da renda (receita) das empresas privadas gerada no âmbito do mercado. O gasto autônomo deve ser financiado por aumento da dívida pública, compra pelo governo de títulos privados ou públicos (injetando liquidez na economia) ou expansão monetária.”

O manifesto segue ainda ponderando que é preciso que sejam implementadas “políticas anticíclicas de cunho keynesiano, fundamentais nesse momento atual”. John Maynard Keynes foi um economista inglês que tinha concepções opostas ao pensamento liberal e advogada a tese de que o Estado é indispensável para o controle da economia.

Nessa linha de raciocínio, os docentes da UFSM sugerem um conjunto de quatro medidas que seriam essenciais a serem tomadas pelo governo federal.

- políticas fiscal e monetária;

- políticas de fortalecimento da capacidade intervenção econômica do setor público;

- política social de renda básica de cidadania para os brasileiros mais pobres;

- políticas públicas de suporte a infraestruturas.

Para eles, “os recursos para essas ações emergenciais não podem ser originados das reservas cambiais, pois tais medidas tornariam o país suscetível a ataques especulativos, mas devem ser oriundos dos recursos do tesouro, já que o risco de inflação neste momento é mínimo, haja vista a situação de forte estagnação econômica.”

O texto encerra dizendo que cabe às autoridades brasileiras atuar com “ética e que sejam estadistas, deixando de lado personalismos e bravatas que somente criam obstáculos desnecessários para uma estratégia urgente visando a garantir o emprego e a renda de cidadãos brasileiros, sobretudo para os mais vulneráveis frente à depressão econômica que se avizinha.”

Confira a íntegra do manifesto, abaixo, em anexo.

Para mais informações: professor Júlio Eduardo Rohenkohl – (55) 9622.0378.


Texto: Fritz R. Nunes

Assessoria de imprensa da Sedufsm

 



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!

Documentos




Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet