ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

27/04/2020   16/07/20 10h28 | A+ A- | 451 visualizações

Indígenas pedem apoio em momento difícil de isolamento social

Aldeias dos kaingang e dos guarani na região de Santa Maria enfrentam dificuldades


Precariedade da ponte de acesso à aldeia guarani e que pode entravar emergência em caso de saúde

A população em geral enfrenta situação difícil diante da necessidade de isolamento social, em função da pandemia de coronavírus (covid-19). Contudo, para as populações indígenas, os efeitos são ainda piores. O sustento das famílias indígenas que moram na região de Santa Maria depende muito das vendas de artesanatos que eles mesmos confeccionam. Entretanto, nesse momento, tanto os kaingang quanto os guarani estão recolhidos em suas aldeias, para evitar um contágio com o vírus que, nessas pequenas comunidades, pode ser gravíssimo. A inviabilidade de vender os produtos artesanais gera uma situação social difícil tanto para uma quanto para outra etnia. Todavia, no caso da aldeia Mbyá Guarani, agregou-se um problema mais recente: a precariedade da ponte para o acesso à comunidade.

Na aldeia kaingang Três Soitas, que hoje está fixada no distrito de Arroio Grande (estrada de Canudos), a dificuldade maior é a alimentação, explica Natanael Claudino, professor da escola indígena Augusto Opê da Silva, e também cacique. Segundo ele, 13 famílias moram na localidade, sendo que alguns desses moradores recebem o bolsa família, outros trabalham na escola, mas a grande maioria sobrevive da venda do artesanato, que agora está impedida de ocorrer. Para minimizar o impacto da falta de recursos dos que não têm fonte de renda, Claudino comenta que os que recebem salário partilham com aqueles que não têm nada. Ajudam também cestas básicas vindas do município e de campanhas de arrecadação da comunidade.

O docente indígena relata que estão todos com saúde na comunidade, e quando precisam vir até Santa Maria, usam as máscaras que foram fornecidas pela secretaria municipal de Saúde. Para Claudino, apesar das doações que recebem, de diversas campanhas, como as realizadas pela Cáritas/Banco da Esperança-Cooperança, ligadas à Igreja Católica, a necessidade maior passa por produtos alimentícios. Para facilitar o acesso a quem deseja fazer doações em dinheiro, a aldeia kaingang possui uma associação. Interessados em fazer doações:

Banco do Brasil: agência 2893-2

Conta: 123.815-9

Ponte sem conserto prejudica aldeia Guarani

Os percalços enfrentados pelas 24 famílias da aldeia Mbyá Guarani (Guaviraty Porã) não são muito diferentes dos que passam os kaingang. A impossibilidade de venda do artesanato é o que mais pesa na formação da renda para a sobrevivência deles. E um fato dificulta ainda mais: essa comunidade, cuja aldeia se localiza nos fundos do bairro Nova Santa Marta, próximo ao Distrito Industrial, desde o ano de 2012, não possui uma associação, o que tornaria mais fácil a doação de recursos em dinheiro.

Perguntado sobre a questão da saúde da comunidade, o cacique guarani, Jonata Benites, ressalta que estão bem atendidos, já que há um automóvel da secretaria especial de Saúde Indígena, com um técnico em enfermagem, que realiza esse trabalho. Entretanto, o médico visita a comunidade uma vez por mês, e a reivindicação é que pudesse fazê-lo uma vez por semana.

Há pelo menos dois meses, explica Benites, a comunidade pede à prefeitura de Santa Maria que conserte uma ponte da localidade, que fica a 500 metros da aldeia. Sem as melhores condições de trafegabilidade, no caso de uma emergência de saúde, o cacique teme que uma ambulância do Samu, por exemplo, não consiga chegar mais próxima das residências indígenas para transportar o doente. Na localidade também há uma escola, que neste momento está sem funcionar devido ao distanciamento social.

Para o futuro, Benites tem a expectativa de seguir o estreitamento de laços com a UFSM. Antes da pandemia, informa ele, estavam recebendo uma assessoria da incubadora da universidade, a fim de montar uma estratégia que ajudasse a melhorar as vendas do artesanato. A criação de uma associação, com CNPJ e tudo, também está nos planos daquela comunidade guarani.

(MAIS FOTOS ABAIXO, EM ANEXO)

Texto: Fritz R. Nunes

Fotos: Jonata Benites; Arquivo Câmara de Vereadores; Arquivo/Sedufsm

Assessoria de imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet