ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

07/08/2020   07/08/20 18h50 | A+ A- | 252 visualizações

Governo Bolsonaro acumula quase 700 denúncias de assédio moral contra servidores

Constrangimento, discriminação e ameaças estão entre as situações relatadas por servidores


Ministérios, Polícia Federal e universidades estão entre os órgãos que registraram denúncias de servidores

Todos os dias, ao menos um servidor público registra denúncia de assédio moral contra o governo de Jair Bolsonaro. Segundo dados da Controladoria-Geral da União (CGU), desde que iniciou, este governo já acumulou 680 denúncias de assédio contra servidores, representando uma média de 1,2 denúncia por dia. Os principais relatos dizem respeito a situações de constrangimento, discriminação, ameaças de exoneração e perseguição ideológica, especialmente à esquerda.

Para Heverton Padilha, assessor jurídico da Sedufsm, o que explica esse aumento no número de denúncias contra o governo é o projeto político assumido por Bolsonaro no que se refere ao funcionalismo público. Projeto marcado por “extrema belicosidade, tentando trazer à sociedade a falsa impressão de que as mazelas do país passariam pelo Serviço público”, argumenta o assessor.

Para ele, “tais atitudes desencadeiam inúmeras consequências prejudiciais e nocivas, o que ocasiona graves violações a uma série de direitos e garantias fundamentais dos Servidores, de modo que isso desencadeia em inúmeras agruras sofridas pelos mesmos em seu dia a dia. Certamente tais ações não devem ficar impunes, o que leva as expressivas denúncias por assédio moral ocorridas desde o início do Governo Bolsonaro". 

Exemplos citados por Padilha foram a comparação, feita pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, de servidores públicos federais a parasitas; a declaração do ex-Ministro da Educação, Abraham Weintraub, quanto à plantação de maconha e desenvolvimento de drogas ilícitas nas Universidades; e a disseminação de fake news pelas redes sociais.

Os órgãos que mais acumulam denúncias são o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos; os Ministérios da Educação, Saúde e Economia; a Polícia Federal e a CGU. Na lista também estão universidades, a exemplo das universidades federais de Goiás, Mato Grosso e Amazonas. 

Segundo informações da Folha de São Paulo, as denúncias foram feitas pela plataforma Fala.br e também presencialmente na Polícia Federal e no Ministério Público Federal. 

 

Texto: Bruna Homrich, com informações de Folha de São Paulo e Revista Fórum  

Foto: Wikimedia Commons (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Assessoria de Imprensa da Sedufsm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet