ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

13/08/2020   13/08/20 11h15 | A+ A- | 317 visualizações

Sedufsm divulga especial “Universidade e Pandemia”

Videorreportagem aborda funcionamento da UFSM com a suspensão das atividades presenciais


Material traz entrevistas com docentes de todos os campi da UFSM

Desde o dia 16 de março a UFSM vive um cotidiano completamente atípico. Por medidas de segurança, o surto novo Coronavírus fez com que a universidade suspendesse a maior parte das atividades presenciais, reduzindo a circulação de pessoas nos campi e desenhando uma feição estranha àqueles ambientes normalmente alegres e agitados. Sendo assim, a redução das atividades presenciais e da circulação de pessoas pressupõe que a universidade está parada e docentes, técnicos-administrativos em educação (TAE) e estudantes estão em casa aguardando o arrefecimento da pandemia, certo? Errado.

A ideia de que a vida da universidade está paralisada pode até circular entre aqueles que desconhecem o trabalho na UFSM, mas é o uso dessa informação falsa por agentes políticos mal-intencionados e inimigos da universidade pública que preocupa. Afinal, ideias como essa já foram usadas para agitar ameaças de cortes de salário, por exemplo. E foi pensando em coletar relatos sobre o trabalho durante esse primeiro semestre de 2020, marcado pela suspensão das atividades presenciais, que a equipe de comunicação da Sedufsm produziu o documento especial “Universidade e Pandemia”. No formato de uma videorreportagem, a produção contou com 13 entrevistadas e entrevistados, sendo 12 docentes e um TAE, contemplando o campus sede e os campi de Cachoeira do Sul, Frederico Westphalen e Palmeira das Missões. Além disso, foram representados 10 centros de ensino da UFSM e a Pró-Reitoria de Extensão (PRE). Concederam entrevista para o especial “Universidade e Pandemia” as/os docentes Luciana Carvalho (campus da UFSM em Frederico Westphalen), Cristina Wayne Nogueira (CCNE), Maria Medianeira Padoin (CCSH), Sara Corazza (CEFD), Viviane Dalsouto Frescura (campus da UFSM em Cachoeira do Sul), Fabiana Stecca (Colégio Politécnico), Alexa Pupiara Flores Coelho (campus da UFSM em Palmeira das Missões), Mônica Borba (CEFD), Victor De Carli Lopes (Pró-Reitoria de Extensão/Observatório de Direitos Humanos), Rodrigo Da Silva Guerra (CT), Ricardo Bergamo Schenato (CCR), Milena Freire (CCSH) e Sueli Salva (CE).

Projetos
Em um primeiro momento, a videorreportagem traz uma breve apresentação de uma série de projetos de pesquisa, ensino e extensão que estão em pleno funcionamento mesmo com a suspensão das atividades presenciais. Vale mencionar que aqui são citados projetos diretamente ligados à pandemia do novo Coronavírus, e que servem como exemplo do empenho da universidade na busca por soluções para esse momento crítico, mas também projetos que não estão diretamente relacionados ao atual contexto e que seguem em funcionamento mesmo com a suspensão das atividades presenciais. Nesse sentido, pensando na importância de divulgar cada um desses projetos com todos os detalhes possíveis, a Sedufsm optou por também disponibilizar a íntegra de cada uma das entrevistas. Assim, quem se interessar por conhecer o projeto com mais detalhes, pode acessar a playlist na qual todas as entrevistas estão disponibilizadas sem cortes. Abaixo, uma lista dos projetos apresentados na videorreportagem “Universidade e Pandemia”:

- Agência da hora no combate à desinformação: jornalismo colaborativo, checagem de fatos e curadoria de informações durante a pandemia;

- Ações de prevenção ao Covid-19 no bairro Camobi, Santa Maria/RS;

- Educação patrimonial em tempo de pandemia: atividades junto as escolas neste período de pandemia vinculada ao projeto institucional geoparque quarta colônia;

- Influência de uma proposta de exercícios físicos e apoio virtual frente à pandemia da Covid-19 na vida de idosos;

- Cultivando saberes: hortas urbanas e soberania alimentar promovendo saúde e bem-estar em tempos de  pandemia;

- Projeto Zelo;

- Ansiedade, depressão, estresse e sua relação com a saúde e percepção de riscos e danos de profissionais de enfermagem de hospitais de referência do Rio Grande do Sul no enfrentamento da pandemia Covid-19: estudo de métodos mistos;

- Projeto de ensino “y solamente social”: criação artística em tempos de pandemia;

- Projetos ligados ao Observatório de Direitos Humanos da UFSM;

- Maternidade e uso das redes em tempos de pandemia;

- Projetos ligados ao Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação e Infância (NEPEI).

Casa, família e trabalho
Em um segundo momento, a videorreportagem aborda também os desafios do trabalho remoto. E nessa etapa, muitas são as questões que, segundo os e as entrevistadas, tonaram o trabalho mais cansativo e desgastante nesse primeiro semestre. O cansaço físico e emocional é, inclusive, uma tônica nos relatos. Como exemplos comuns dos vetores desse cansaço estão a necessidade de se adaptar a uma série de ferramentas digitais para as quais não foi possibilitado um tempo de adequação, assim como a confusão entre o ambiente e as tarefas domésticas e a execução das atividades do trabalho. Nesse segundo caso, se destacam os relatos de mães e pais que estão com as crianças em casa – também por conta da suspensão das aulas do ensino fundamental e médio – e que precisam administrar o cuidado de filhos e filhas com o trabalho. Outro ponto de desgaste citado com recorrência nas entrevistas, é a flexibilização dos turnos de trabalho. Conforme mencionado em mais de uma fala, o desejo de atender aos questionamentos estudantis, tendo em vista que estes também estão inseguros com o cenário, faz com que docentes disponibilizem contatos particulares e, por consequência, sejam acionados em finais de semana ou até de madrugada.

Apesar do contexto muito distante do ideal e de todos os problemas evidenciados, as entrevistas ainda fazem uma defesa consistente da universidade pública e do trabalho desenvolvido por ela em um momento tão crítico. Como diz uma das entrevistas “nesse momento as pessoas esperam uma vacina, uma cura, uma resposta. Eu diria que a solução para a pandemia vai vir da ciência, da pesquisa e possivelmente da universidade pública”.

Assista o especial no player abaixo.

Imagem: Divulgação
Texto: Rafael Balbueno
Assessoria de Imprensa da Sedufm



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet