ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que a partir de segunda, 23 de março, a sede do sindicato estará fechada e todos os atendimentos serão realizados de forma remota (online), por tempo indeterminado. Os (as) sindicalizados (as) poderão entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail sedufsm@terra.com.br ou dos telefones (55) 99614-2696 e (55) 99935-8017.

Sindicato


Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
sedufsm@terra.com.br

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

04/08/2020   04/08/20 15h00 | A+ A- | 278 visualizações

7 de agosto: Dia Nacional de Luto e Luta contra Bolsonaro

CSP-Conlutas impulsionará mobilizações nos locais de trabalho e manterá defesa da quarentena com salário


Dia prevê atrasos na produção, assembleias nos locais de trabalho e atividades em praças públicas

Nesta sexta-feira, 7 de agosto, ocorre mais um Dia Nacional de Luto e de Luta pelo Fora Bolsonaro. A exemplo das jornadas de mobilização ocorridas nos dias 10, 11 e 12 de julho, a CSP-Conlutas participará da atividade unitária convocada pela Frente Ampla por Fora Bolsonaro, integrada por diversas centrais sindicais, partidos políticos e movimentos sociais que estão no campo da oposição ao governo federal. Mantendo sua autonomia política frente às demais organizações, a CSP-Conlutas impulsionará greves, paralisações e atrasos na produção, bem como atividades em lugares públicos.

Como principal reivindicação, a central sindical e popular segue exigindo que os governos nos três níveis decretem uma Quarentena Geral por 30 dias, garantindo renda digna para todos os trabalhadores e pequenos proprietários. Só assim a maioria da população poderá, de fato, ficar em casa para fazer retroceder a pandemia.

Outras pautas de mobilização apresentadas pela CSP-Conlutas são a proibição das demissões e a consequente garantia de estabilidade no emprego; a revogação de todas as medidas do governo que reduziram direitos dos trabalhadores, como as Reformas Trabalhista e Previdenciária; a suspensão do pagamento da dívida pública externa e interna; investimento em saúde pública; garantia de auxílio emergencial no valor de dois salários mínimos à população; defesa dos povos indígenas e do meio ambiente, repudiando a política de Bolsonaro e de Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, que preconizam a “passada da boiada” em relação à flexibilização das leis ambientais; suspensão de todas as remoções e despejos; combate à violência doméstica através da destinação de verbas para a formulação de políticas; fim da violência policial contra o povo preto e pobre.

“O caminho é a luta e a unidade da classe trabalhadora. Neste sentido, todo apoio e solidariedade às lutas em curso, como dos trabalhadores da Saúde, dos Correios, dos petroleiros, aos metroviários (que aprovaram greve na última semana e suspenderam após o Metrô de SP recuar nos ataques), à greve sanitária dos trabalhadores do Judiciário de SP (que luta contra a obrigatoriedade do trabalho presencial), dos profissionais da Educação, que ameaçam ir à greve para impedir a volta às aulas em meio à pandemia; ou ainda dos metalúrgicos da Renault, que lutam contra mais de 700 demissões feitas pela montadora no Paraná”, afirma a CSP-Conlutas em seu site.

 

Fonte e imagem: CSP-Conlutas

Edição: Bruna Homrich/Assessoria de Imprensa da Sedufsm  

 

 



Fotos



* Clique na foto para Ampliar!


Compartilhe com sua rede social!














© 2020 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041
Website por BM2 Tecnologia em Internet