MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Sindicato

ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que, desde o dia 23 de março de 2020, em função da pandemia, a sede do sindicato está fechada e os atendimentos sendo realizados de forma remota. Os (as) sindicalizados (as) podem entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail [email protected] ou pelos telefones (55) 99962-2248 e (55) 99935-8017.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

11/05/2021   11/05/2021 17h24m   | A+ A- |   585 visualizações

Entidades condenam visita de ministro da Educação à UFSM

Milton Ribeiro inaugura obras em um momento que universidade sofre corte histórico de verbas

Foto da Central de UTIs do Husm-Ebserh, quando ainda estava em obras
Foto da Central de UTIs do Husm-Ebserh, quando ainda estava em obras

Foi com um sentimento de indignação que as direções de algumas das principais entidades que representam os segmentos da UFSM receberam a notícia de que o ministro da Educação do governo Bolsonaro, Milton Ribeiro, estará em Santa Maria nesta quarta, 12, para inaugurar obras na instituição. Junto à reitoria, a informação é de que o convite é protocolar, faz parte da hierarquia, e foi feito ainda durante a visita do vice-presidente Hamilton Mourão, em 2019, e só confirmado recentemente, pelo atual ministro. No entanto, mesmo com essa justificativa, a visita é criticada.

Para o diretor da Sedufsm, professor Leonardo Botega, o que o ministro deveria vir fazer é “prestar esclarecimentos sobre os quase R$ 5 bilhões a menos no orçamento para a educação, sobre as perseguições que colegas estão sofrendo por criticarem o governo e sobre os constantes ataques à autonomia universitária”. E complementa: “Que não venha com o discurso de ocasião da educação como serviço essencial, cujo único objetivo é jogar a comunidade acadêmica num matadouro."

Clovis Senger, da coordenação do Sindicato dos Técnicos de Nível Superior (Atens), afirma que, no entendimento da entidade, a visita é descabida e o ministro não é bem-vindo. “É público que esse governo não dá a mínima atenção para a universidade pública, basta olhar o orçamento das universidades públicas brasileiras, que neste ano de 2021, voltou aos patamares de 2004, quando essas instituições tinham um número infinitamente menor de alunos”. Senger diz que, mesmo considerando uma visita desnecessária, entende que seria importante que a Administração Central aproveitasse para cobrar do ministro a solução para o corte de verbas.

“É muito triste ver um ministro da Educação, que faz parte de um governo que está realizando um desmonte descarado nas universidades e nos institutos federais, vir inaugurar obras”, afirma o coordenador geral do Sinasefe em Santa Maria, José Abílio Freitas. Segundo ele, o que se percebe é que “nesse sucateamento e nessa precarização há uma clara demonstração do atual governo federal de que a universidade não é necessária. E isso é feito mesmo se tendo clareza de que a universidade e o serviço público foram fundamentais durante esse período de combate à pandemia”, destaca.

Luiz Eduardo Boneti, da coordenação do DCE/UFSM, avalia que “por mais que seja protocolar (a visita), é muito estranho recepcionar ministros de um governo que não apenas não tem comprometimento com as Universidades, mas também implementa uma política de destruição destas”. Conforme o estudante, as universidades têm sido o alvo preferencial, tanto que, “já iniciado maio, ainda não foi sancionado o orçamento para 2021, e mesmo quando for, já virá com um grande corte, de cerca de 18%”.

Na avaliação do integrante do DCE, “a cada ano, os investimentos são menores, e mesmo com o cenário mostrando que defender a Universidade Pública é defender a ciência e consequentemente defender a vida, eles (governo) não se furtam em promover ataques. É falta de dinheiro, que cada vez encurta mais, são ataques à produção universitária de forma a deslegitimar o que é produzido aqui”. E, não bastando isso, diz Boneti, “ainda passam por cima da autonomia universitária, com a nomeação de interventores, que mesmo não eleitos, são nomeados por Bolsonaro, que tem compromisso único em promover a agenda bolsonarista dentro das Universidades”.  Apesar do momento crítico para a realização de atos e protestos (devido à pandemia), o estudante afirma que “é cada vez mais necessário a mobilização de toda a comunidade contra esse governo e suas políticas.”

Abaixo-assinado contra “inimigo da Educação”

O DCE da UFSM está promovendo um evento virtual intitulado Inimigos da Educação não são bem-vindos à UFSM. Através da página no Facebook, a entidade promove um abaixo-assinado cujo objetivo é repudiar a vinda da autoridade do governo federal à instituição (imagem a seguir está no Facebook do DCE).

Obras que serão inauguradas na UFSM

Conforme o material de divulgação da UFSM, as obras que serão inauguradas com a presença do ministro Milton Ribeiro são:

- Salas de Aula no Centro de Ciências da Saúde do Campus Sede;

- Central de Tratamento Intensivo no HUSM-EBSERH;

- Central de Laboratórios do HUSM-EBSERH.

Inauguração em conjunto

- Bloco 5 da UFSM Frederico Westphalen;

- Casa do Estudante da UFSM Cachoeira do Sul;

- Central de Laboratórios da UFSM Cachoeira do Sul;

- Casa do Estudante 2 da UFSM Palmeira das Missões;

- Ampliação do Prédio 16-B do Centro de Educação UFSM Campus Sede.

 


Texto: Fritz R. Nunes
Imagens: Ebserh e DCE
Assessoria de imprensa da Sedufsm

 

Fotos da Notícia

Foto da Central de UTIs do Husm-Ebserh, quando ainda estava em obras Material de divulgação do protesto do DCE

Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041