MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Sindicato

ATENDIMENTO DA SEDUFSM

A Sedufsm informa que, desde o dia 23 de março de 2020, em função da pandemia, a sede do sindicato está fechada e os atendimentos sendo realizados de forma remota. Os (as) sindicalizados (as) podem entrar em contato com a entidade das 8h às 12h e das 14h às 18h através do e-mail [email protected] ou pelos telefones (55) 99962-2248 e (55) 99935-8017.


Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Twitter

SEDUFSM

Facebook

SEDUFSM

Youtube

SEDUFSM

Notícias

28/05/2021   28/05/2021 15h33m   | A+ A- |   265 visualizações

Dica cultural: professor resgata o consagrado Júlio Verne

Rondon de Castro sugere leitura de “A Jangada”, que nos leva para o Amazonas


Sextou na quarentena! Nesta sexta, 28, com muita chuva e previsão de frio no final de semana, a dica cultural para aproveitar esse clima vem de Rondon de Castro, professor do departamento de Ciências da Comunicação da UFSM. O docente resgata o lendário escritor francês, Júlio Verne, autor de clássicos como “Vinte mil léguas submarinas”, e que hoje encontra-se esquecido. Castro sugere a leitura de uma obra de Verne que é pouco citada: “A Jangada”. Na publicação, o escritor leva os (as) leitores (as) para os encantos das águas do rio Amazonas. E, o mais impressionante: sem nunca ter molhado os pés lá. Boa leitura a todos e todas!


“Uma viagem pelo Amazonas brasileiro com Júlio Verne

Júlio Verne é uma unanimidade.  Todos o elogiam e poucos o leem nos dias de hoje. Talvez, apenas, as suas obras, duas ou três entre dezenas.  As razões disso são difusas, mas podemos limitar a uma questão: atualmente, esse autor francês foi exilado na prateleira de livros infantis.  Uma injustiça. Verne foi realmente utilizado como instrumento didático-pedagógico desde sempre...antenado que era com os avanços da ciência e dos avanços e descobertas científicas. Afora os sempre republicados ‘Viagem ao Centro da Terra’ e ‘Vinte Mil Léguas submarinas’, dezenas de outros livros e contos esparsos o confirmam como escritor menos fantástico e mais ficcional da ciência. 

Por essa razão, a leitura da obra A Jangada (L&PM, 2017) não causou, surpreendentemente, muito alarde. Se há pontos positivos em uma pandemia, nos escombros de uma sociedade acossada pelo Covid-19, o resgate é um atenuante.  Cheira a ciência, os primórdios da sistematização científica...era o que Verne via, estudava, testemunha em uma França efervescente e era com o que preenchia com a pena as folhas brancas.  Esse livro, dito como secundário na literatura verniana, leva a imaginação para as águas do rio Amazonas, para um barco (a jangada do título) e para a superação das dificuldades com a natureza e homens em uma epopeia de 800 léguas (a légua equivale a quase cinco quilômetros) em território brasileiro.

Esqueça a jangada nordestina...a embarcação que realizou essa viagem é uma cidade flutuante, construída com tudo aquilo que a ciência e a tecnologia podiam oferecer no período. Era justamente isso que fascinava os leitores da época: as novidades se acumulavam na ebulição do século XIX e Júlio Verne as encaixava nas páginas.  Aliás, é impossível não reparar na meticulosidade com que descreve os equipamentos e as curiosidades que conseguiu sobre a região que descrevia.  Um lembrete necessário:  Júlio Verne nunca esteve no Brasil, muito menos no norte do país. Sua curiosidade saciada pela leitura de jornais e periódicos sobre um ainda país independente e o grande potencial dessas terras sul americanas chamaram sua atenção.  E pouco se sabia do Brasil além de ser um país recém liberto do jugo português. 

O ano de 1881 marcou a primeira edição, que tentou retratar um Brasil de três décadas anteriores...o selvagem atiçava as ideias dos europeus e a existência de um mundo exuberante e excitante para os aventureiros fizeram desse livro hoje quase esquecido mais um sucesso da literatura francesa. A narrativa é linda e a tradução muito boa...com necessárias notas de rodapé, contradizendo, informando, corrigindo e afirmando a narrativa.  Leitura agradável para quem gosta de se descobrir em mundos imaginados.”



Rondon Martim Souza de Castro

Professor do departamento de Ciências da Comunicação/UFSM

Diretor de cinema.

 

Imagens: Divulgação e Arquivo/Sedufsm
Edição: Fritz R. Nunes
Assessoria de imprensa da Sedufsm

Fotos da Notícia

Livro 'A Jangada' Professor Rondon de Castro

Compartilhe com sua rede social


© 2021 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041