MOBILIZAÇÃO CONTRA REFORMA ADMINISTRATIVA

Cartilha sobre a PEC 32

Últimas Notícias

Espaço Cultural

Reflexões Docentes

Contatos SEDUFSM

(55) 3222 5765

Segunda à Sexta
08h às 12h e 14h às 18h

Endereço

SEDUFSM
Rua André Marques, 665
Centro, Santa Maria - RS
97010-041

Email

Fale Conosco - escreva para:
[email protected]

Notícias

23/09/2022 18h57m   23/09/2022 19h22m   | A+ A- |   288 visualizações

Por que somos filiadas e filiados à Sedufsm?

Sindicato luta pela valorização da categoria e em defesa da educação

Revista de comemoração de 30 anos da Sedufsm, em novembro de 2019
Revista de comemoração de 30 anos da Sedufsm, em novembro de 2019

“Um sindicato é importante para garantir os interesses de uma classe. A força dos sindicatos, especialmente no setor público, é fundamental para fazer um contrapeso à tentativa liberal de destruir serviços públicos de qualidade que são direitos fundamentais previstos na Constituição”. A explicação é de Bruno Hendler, professor de Relações Internacionais do departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSM, ressaltando a importância de estar vinculado a uma entidade sindical.

Filiado à Sedufsm em 2022, Hendler explica que o motivo de ter se vinculado relaciona-se ao fato de que a entidade “defende a valorização dos professores”, além do que, “oferece uma série de benefícios” que a categoria pode disponibilizar a partir do momento em que se sindicaliza. Além de Bruno Hendler, mais seis docentes concederam depoimentos sobre a importância da filiação ao sindicato.

Marta Tocchetto, docente aposentada do departamento de Química da UFSM, está filiada à Sedufsm desde que a entidade foi fundada, em novembro de 1989. Para ela, um sindicato, além de defender os interesses específicos da categoria, também levanta outras bandeiras importantes para a sociedade.

Perguntada sobre os motivos de ter se associado ao sindicato dos docentes da UFSM, Marta (foto acima) diz que é por acreditar na atuação coletiva que visa ao fortalecimento e reconhecimento profissional, dando ainda atenção às pautas salariais e trabalhistas como forma de defender a categoria. “O Sindicato também congrega os docentes por meio de diversas promoções culturais, sociais, de integração, inclusive com outras instituições”, frisa ela.

Para o reitor da UFSM, professor Luciano Schuch (foto abaixo), filiado desde 2018, é relevante estar em um sindicato porque é a entidade que “luta pelos nossos direitos, nos representa em batalhas importantes frente a governos, buscando melhorar nossos salários, nossa carreira”.

No que se refere ao vínculo com a Sedufsm, Schuch argumenta que “é o nosso sindicato, que tem uma batalha histórica em defesa da categoria”. Para o reitor, que é docente na área de Engenharia Elétrica do Centro de Tecnologia, “muitas das conquistas que alcançamos são frutos da atuação do sindicato”.

Assim como Bruno, Karen Kraemer é filiada recente à seção sindical. Professora do departamento de Ciências da Comunicação da UFSM, no campus de Frederico Westphalen, Karen entende ser importante o vínculo, pois “historicamente, os sindicatos surgiram para organizar e fiscalizar as condições de trabalho dos profissionais, evitando abusos do lado patronal”. E complementa: “Um sindicato forte e ativo assegura melhores condições de trabalho e ganhos aos seus associados”.

No que se refere à Sedufsm, Karen sublinha que a entidade tem um valor importante por estar sempre lutando pela categoria, seja na busca de benefícios, através de convênios, parcerias, mas, especialmente, na defesa dos direitos do conjunto de professores e professoras.

O que representa participar de um sindicato

Ricardo Rondinel (foto abaixo) já foi vice-presidente e presidente da Sedufsm entre os anos de 1992 e 1996, quando a entidade ainda engatinhava. Para relembrar o significado de ter se filiado e, mais que isso, ter ajudado na construção e solidificação da seção sindical, o docente, que atua no departamento de Economia e Relações Internacionais conta uma pequena história:

“Uma das primeiras coisas que fiz ao ingressar na UFSM foi participar no movimento universitário. Meu colega Israel (Mármol) me convidou. Eu e ele apoiávamos com estudos econômicos, que era nossa especialidade. Depois da greve de 1991, a então presidente, Berenice (Corsetti), nos convocou para participar da Diretoria”.

Rondinel enfatiza que se vincular a uma diretoria sindical foi uma “decisão difícil porque nossa titulação acadêmica não estava completa”. E constata: “em parte, a participação na Sedufsm atrasou minha carreira acadêmica. Mas não me arrependo disso”, ressalta, pois “sempre tive apoio da família e de minha companheira, Jussara, para participar das atividades sindicais. Sem o apoio dela, isso não seria viável”.

Para o docente e ex-diretor da Sedufsm, é de extrema importância que todos e todas se sindicalizem, contribuindo para a manutenção do sindicato, tendo em vista que a entidade é responsável pela defesa dos interesses da categoria e também do direito à educação pública.

Giuliana Redin, professora do departamento de Direito da UFSM, descreve a relevância dos sindicatos. “É importante para reunir, discutir e mobilizar um setor específico de trabalhadores e trabalhadoras para a luta por seus direitos, assim como para construção conjunta com outros sindicatos e movimentos populares das lutas comuns à classe trabalhadora”. Ela pondera que “se por um lado, cabe a cada categoria a identificação das necessidades e construção das lutas, por outro, somente com a união aos demais setores da classe, com apoio da população, é possível a construção de um país e de uma sociedade mais justa para todos e todas”.

Filiada desde 2016, Giuliana (foto abaixo) explica as motivações de sua filiação, que se coadunam com a ideia de que a participação sindical expressa também uma opção política: “Minha sindicalização à Sedufsm significou assumir responsabilidade nesta construção, apoiando, propondo e cobrando dentro de um coletivo, as lutas necessárias para nossa categoria, nossa UFSM e nosso país."

Leonardo Botega, professor de História do Colégio Politécnico da UFSM, e atual diretor da Sedufsm, afirma que a seção sindical sempre foi uma referência para ele, desde os tempos do movimento estudantil, na defesa de diversos temas, entre eles, a defesa da própria universidade. Por isso, diz sentir um grande orgulho, na condição de docente, em não apenas ser sindicalizado, mas também de fazer parte da direção do sindicato.

Para Botega, diante de toda a história e simbologia representadas pela Sedufsm, sente que tem uma responsabilidade enorme em poder atuar junto ao movimento docente para poder corresponder às expectativas do sindicato e de toda a categoria.  

Campanha

Os depoimentos aqui registrados, que correspondem a seis dentre mais de 1 mil sindicalizados(as), buscam reforçar a importância de estar sindicalizado(a) à Sedufsm. No último dia 12 de setembro, a diretoria da seção sindical lançou uma campanha de sindicalização, cuja intenção é ampliar o número de filiados e filiadas, fortalecendo ainda mais a entidade.

(Todas as fotos dos/as entrevistados/as podem ser conferidas abaixo, em anexo)

Texto: Fritz R. Nunes
Fotos: Arquivo pessoal e arquivo da Sedufsm
Assessoria de imprensa da Sedufsm

Fotos da Notícia

Revista de comemoração de 30 anos da Sedufsm, em novembro de 2019 Luciano Schuch, reitor da UFSM Bruno Hendler, professor de Relações Internacionais Professor Ricardo Rondinel Professora Giuliana Redin Professora Karen Kraemer Professor Leonardo Botega Professora Marta Tocchetto

Compartilhe com sua rede social


© 2022 SEDUFSM
Rua André Marques, 665 - Centro, Santa Maria, RS - 97010-041