Jurídico da Sedufsm atesta que minuta das progressões e promoções é ilegal e estimula produtivismo SVG: calendario Publicada em
SVG: atualizacao Atualizada em 13/07/23 18h02m
SVG: views 1516 Visualizações

Grande rejeição alcançada pela minuta nos departamentos e centros de ensino da Ufsm leva reitoria a aumentar prazo de discussão

Alt da imagem
Tenha acesso, mais abaixo, à nota técnica na íntegra

Por solicitação da diretoria da Sedufsm, o escritório Wagner Advogados Associados, que presta assessoria jurídica à seção sindical, elaborou uma nota técnica sobre a minuta de resolução que estabelece critérios para a progressão e promoção de docentes da carreira de Magistério Superior da Ufsm. Na avaliação das e dos assessores, a minuta, ao não observar a totalidade de critérios a serem considerados nas avaliações de desempenho, carrega um conteúdo evidentemente ilegal.

Além disso, o setor jurídico também alerta para o teor produtivista da minuta, que pode acarretar adoecimento na categoria em função da sobrecarga e afetar inclusive a qualidade do ensino ofertado pela universidade.

Mais abaixo, além de disponibilizarmos o documento na íntegra para leitura e download, também destacamos alguns pontos mais importantes ressalvados pelos(as) assessores(as).

Docentes se mobilizam e reitoria estende o prazo

Desde que a minuta entrou em pauta, a Sedufsm vem se mobilizando para ampliar o debate junto à base e a representantes da reitoria, pleiteando, como deliberado na assembleia docente ocorrida em 29 de junho, a rejeição à minuta e sua retirada de pauta. Nas últimas semanas, diversos departamentos e centros de ensino da Ufsm realizaram reuniões e rejeitaram a proposta de minuta. E a mobilização vem rendendo desdobramentos positivos.

Na última quarta-feira, 12 de julho, houve duas reuniões: uma do fórum de diretores e diretoras de centro, e outra do fórum com o reitor Luciano Schuch e a vice-reitora Martha Adaime. O vice-diretor do Centro de Educação da Ufsm, José Iran Ribeiro, informou que, na conversa com a Administração Central, chegou-se a um acordo para alargamento do prazo de discussão sobre a minuta.

“[...] houve acordo para o ajuste da metodologia para discussão da minuta, ampliando o prazo da análise e a disposição da reitoria ir a cada unidade para discutir a minuta com as comunidades. A reitoria está formulando um cronograma dessas discussões depois de consultar as direções”, disse Ribeiro.

Sobre o prazo dado anteriormente pela reitoria, que sinalizava o dia 21 de agosto como limite para envio de contribuições, dúvidas e sugestões acerca da minuta, o vice-diretor do CE explicou que “servirá como uma referência para o envio das primeiras contribuições, mas a discussão será continuada depois disso”.

Na avaliação do gestor, “o fórum de diretores e a reitoria foram muito sensíveis à disposição da categoria de discutir a proposta, que é muito importante para todos os professores e professoras. Certamente que a mobilização dos colegas em diferentes espaços, inclusive na Sedufsm, foi muito importante”, concluiu Ribeiro.

O presidente da Sedufsm, Ascísio Pereira, também destaca que “sem dúvida, sem essa movimentação [da base docente e do sindicato], nada disso teria acontecido. Nós seguiremos na resistência pela retirada”.

A proposta de minuta foi elaborada pelo Grupo de Trabalho (GT) composto por representantes da Reitoria, das Pró-Reitorias de Gestão de Pessoas, de Graduação, de Pós-Graduação e Pesquisa, de Extensão, de Inovação e Empreendedorismo.

Análise jurídica

Na nota técnica elaborada pela assessoria jurídica da Sedufsm, destaca-se que a minuta das progressões e promoções é demasiadamente restritiva se comparada com as resoluções atualmente vigentes na Ufsm. Dentre os pontos lesivos às e aos docentes, o escritório de advocacia elenca a elevação da pontuação mínima a ser atingida na avaliação de desempenho e a supressão de inúmeras atividades acadêmicas que até então são consideradas para fins avaliativos, sendo, então, pontuadas.

Outra questão é que, no âmbito das atividades de pesquisa, a minuta não reflete toda a gama de atribuições que a pesquisa do magistério superior demanda, sendo, assim, consideravelmente restritiva.

“Ao pretender, de um lado, aumentar a pontuação mínima para concessão de promoção e progressão dos professores e, de outro lado, restringir excessivamente quais as atividades ligadas a pesquisa que devem ser pontuadas – com ênfase na publicação de trabalhos acadêmicos –, a minuta de resolução em análise impõe um ritmo de trabalho voltado somente para este viés da profissão, reduzindo a investigação científica a um processo mecânico de produção e publicação de trabalhos”, atesta trecho da nota técnica, que pode ser lida, na íntegra, aqui.

Observa-se, assim, que a minuta carrega um “estímulo produtivista excessivo” que “pode ocasionar sérios problemas para os docentes (associados a sobrecarga de trabalho) e para a qualidade do ensino ofertado pela UFSM (uma vez enfraquecidas as demais atividades que deixariam de ser consideradas para fins de avaliação de desempenho)”, segue a nota.

Ao dizer que a minuta contraria os princípios de razoabilidade e proporcionalidade em vários pontos, o jurídico frisa como exemplo a previsão de que às e aos docentes que lecionarem aulas em outro idioma serão atribuídos 1,2 ponto a cada 5 horas aula, ou fração proporcional. Para a assessoria, isso impõe uma diferenciação entre docentes que, salvo poucas exceções, nada tem a ver com seu desempenho, pois:

“[...] existem disciplinas que naturalmente não demandam a realização de aulas em outro idioma, sendo completamente incoerente que os professores responsáveis por estas matérias recebam menores pontuações somente por este fator. Em termos práticos, se o docente for responsável por cátedra de Literatura Brasileira, por exemplo, não fará nenhum sentido lecionar em outro idioma e, menos ainda, ser prejudicado por isso. A exigência só teria sentido para aqueles que trabalham em cursos que se relacionam intimamente ou dependem de idiomas estrangeiros (Letras – Inglês, por exemplo)”, atesta trecho da nota.

Após apresentar diversos outros aspectos em que a minuta é lesiva às e aos docentes, a assessoria jurídica encerra a nota constatando que o documento expressa evidente ilegalidade em seu conteúdo, uma vez que desrespeita a totalidade de critérios a serem considerados nas avaliações de desempenho (como determinado pela Portaria 554/2013 do MEC) e cria indevidamente requisito para concessão de progressão e promoção, contrariamente ao que diz a Lei nº 12.772/2012.

 

Texto:  Bruna Homrich

Arte: Italo de Paula

Assessoria de Imprensa da Sedufsm

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: arquivo-download Documentos

- Nota Técnica - Minuta Progressões e Promoções Docentes

SVG: jornal Notícias Relacionadas

Sindicato finaliza reuniões para construção de proposta de encargos docentes

SVG: calendario 05/12/2023
SVG: tag Minuta
Colaborações de docentes das Unidades serão importantes na elaboração de documento da Sedufsm que será enviado aos conselhos superiores

Sedufsm segue na construção colaborativa de nova proposta sobre encargos docentes

SVG: calendario 30/11/2023
SVG: tag Minuta
Reuniões buscam atender demandas dos professores e professoras, e se encerram terça-feira, em Cachoeira do Sul

Sedufsm intensifica debates para proposição de nova minuta sobre encargos docentes

SVG: calendario 24/11/2023
SVG: tag Minuta
As reuniões, que iniciaram dia 16 de novembro, seguem até dia 5 de dezembro contemplando centros e campi da UFSM

Veja todas as notícias