Regressão civilizacional SVG: calendario Publicada em 27/09/2023 SVG: views 6230 Visualizações

“No mundo civilizado, nós não vivemos da mentira, falsidades e muito menos de agressões”. (Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes)

"A hora da agonia está próxima, silenciosa como todas as horas decisivas". (Raymundo Faoro em 'Os donos do poder')


Utilizamos os argumentos históricos em virtude de serem de grande relevância para o momento presente.

E os empregamos de várias formas, tais como:

a) na construção de metas para o futuro;

b) para reivindicar direitos, espaços e oportunidades para determinados grupos que há décadas são marginalizados e estigmatizados;

c) para atacar, criticar, desqualificar grupos que estiveram e se perpetuam no poder em benefício próprio.

No que concerne à construção de metas para o futuro, a História precisa ser uma ferramenta essencial do que pode e poderá ser feito e o que deve ser evitado.

O presidente estadunidense, Franklin Delano Roosevelt, dizia durante o New Deal: “O que este país precisa é de audácia na experimentação. Se a solução não der certo, tentar uma, duas, tantas vezes como o necessário para acertar”.

Talvez esta seja a fórmula “errática” que o Brasil vem copiando.

Nesses nossos tempos instáveis e incertos, o desafio da pacificação da sociedade brasileira é imenso.

Segundo o DataFolha, a polarização entre petistas e bolsonaristas segue intacta quase um ano após a eleição. “Se dizem petistas convictos 29% dos eleitores, ante 25% que afirmam ser bolsonarista raiz”. Os dados são de pesquisa feita pelo DataFolha com 2016 pessoas em 139 cidades, nos dias 12 e 13 de setembro.

De fato, essa polarização acentua o processo de regressão civilizatória. Basta visitar as bolhas das redes sociais ou acompanhar os noticiários diários. É uma completa anomia! “Ninguém respeita ninguém”, “Ninguém escuta ninguém”. Faltam afabilidade, gentileza, cortesia, bons modos e boas maneiras!

A descivilização – termo elaborado e empregado pelo sociólogo alemão Norbert Elias – é a expressão mais apropriada e adequada para se compreender o momento atual brasileiro.

As “tormentas brasilienses de 08 de janeiro” são sinais claros dessa regressão civilizacional. E não só! O negacionismo científico, o comportamento ultraindividualista na pandemia, os contínuos ataques às instituições democráticas, as agressões verbais e físicas durante e pós o período eletivo, as constantes Fake News, a política armamentista, o aumento de estandes de tiro e etc. É inegável que atingimos uma “degeneração da civilidade e da urbanidade” no Brasil. Há uma banalização da violência plural simbólica, física, verbal e institucional.

E vale, por fim, destacar que ao longo da História, momentos de regressão civilizacional foram e são alimentos para “homens providenciais”.

Sobre o(a) autor(a)

SVG: autor Por José Renato Ferraz da Silveira
Professor do departamento de Economia e Relações Internacionais da UFSM

Veja também