Em defesa da Universidade Pública SVG: calendario Publicada em 11/01/2023 SVG: views 4757 Visualizações

Iniciamos, em dezembro, uma nova Gestão Renova da diretoria da Seção Sindical dos Docentes da Universidade Federal de Santa Maria - SEDUFSM, do ANDES-SN. Foram dois anos de muito trabalho e outros dois começaram agora.

Nossa gestão teve como princípios básicos o respeito à pluralidade e o diálogo como método de construção do movimento docente. Os desafios foram imensos. O Brasil vivenciava a conjunção entre um governo de extrema-direita, ultraliberal, obscurantista, anticientífico e negacionista, e a Pior Pandemia Mundial desde 1918. Um momento em que a luta sindical em defesa das e dos docentes, bem como, das universidades públicas, gratuitas e de qualidade, ganhou um novo significado, se transformando literalmente em uma luta em defesa da vida.

Foi essa luta em defesa da vida que pautou as nossas ações ao longo dos últimos dois anos. Foi em defesa da vida que lutamos contra a precarização do trabalho docente e por um retorno presencial seguro. Foi em defesa da vida que lutamos contra o desmonte do serviço público proposto na PEC 32, a PEC da Reforma Administrativa. Foi em defesa da vida que lutamos, junto com os demais sindicatos dos servidores públicos federais, por um reajuste salarial emergencial. Foi em defesa da vida que lutamos contra os cortes orçamentários e pela revogação da EC 95 do teto de gastos. Foi em defesa da vida que derrotamos o governo Bolsonaro. Mas, principalmente, foi em defesa da vida que defendemos a UFSM, suas e seus docentes!

O ciclo do obscurantismo terminou, mas a luta não. Desde o golpe de 2016 o serviço público vem sendo atacado e desmontado, sendo as Universidades Públicas um dos grandes alvos. Por isso, é necessário recompor o orçamento da Educação, garantindo investimento nas Universidades Públicas e a manutenção de estudantes, com revisão de bolsas que há uma década não são reajustadas. Do mesmo modo, assim como no governo anterior, continuaremos lutando pela reposição das perdas salariais. Continuaremos lutando contra a EC 95 e a PEC 32/20, assim como pela revogação da implantação da Reforma do Ensino Médio e da Resolução CNE/Cp 02/2019, que altera as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial de professores e professoras para a Educação Básica (BNC formação) e pela revogação da reforma da previdência.

Seguiremos em defesa da UFSM, dos e das suas docentes. E por isso, também atentos a pautas locais, como a mudança no ingresso à graduação e resoluções referentes aos encargos docentes e progressão na carreira. Uma Universidade forte se faz com democracia, com respeito a seus trabalhadores e trabalhadoras e à diversidade de pessoas e ideias.

(Artigo publicado no jornal Diário de Santa Maria no último dia 5 de janeiro de 2023)

Sobre o(a) autor(a)

SVG: autor Por Ascisio Pereira(*) e Márcia Morschbacher(**)
* Professor do departamento de Fundamentos da Educação da UFSM, presidente da SEDUFSM; **Professora do departamento de Metodologia do Ensino da UFSM, vice-presidenta da Sedufsm

Veja também