CNS critica Ministro da Saúde por acabar com emergência da Covid-19 SVG: calendario Publicada em
SVG: atualizacao Atualizada em 18/04/22 16h32m
SVG: views 779 Visualizações

Queiroga não dialogou com ninguém, alega presidente do Conselho Nacional de Saúde

Alt da imagem
Marcelo Queiroga, ministro da Saúde

Em pleno domingo de Páscoa, sem diálogo com entidades e governos locais, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou o fim do estado de emergência sanitária no país, decretado em 2020, em razão da pandemia de Covid-19. O titular da pasta de saúde alegou, entre outras coisas, para o fim da Espin (Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional), a melhora do cenário epidemiológico, a ampliação da cobertura vacinal, além da boa capacidade de assistência do SUS (Sistema único de Saúde).

Entretanto, o canetaço de Queiroga foi recebido com muitas críticas. É o caso, por exemplo, do presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Pigatto. Ainda na noite de domingo, após o anúncio do ministro, o dirigente do CNS usou as redes sociais para atacar a medida governamental. Pigatto acusou o ministro de usar de prepotência, tendo em vista que não fez qualquer diálogo anterior.

“É inadmissível que, na noite de Páscoa, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, do alto de sua prepotência, sem diálogo com o controle social, com os governos estaduais e municipais, com o Congresso Nacional, e as próprias autoridades de saúde nacionais e internacionais, anuncie o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional”, observou Pigatto (foto abaixo).

Isso é ainda mais grave, conforme a ótica do presidente do Conselho Nacional, pelo fato de ser uma medida tomada por um governo que é “responsável por centenas de milhares de mortes, por milhões de pessoas que adoeceram de Covid-19 e têm sequelas graves até hoje”. Segundo Fernando Pigatto, o CNS, através da totalidade de seus conselheiros, deve se posicionar, nos próximos dias, sobre a decisão governamental.

Impactos

A Espin permite a tomada de medidas mais rápidas para controle sanitário durante a pandemia, como a compra mais rápida de artigos hospitalares e remédios pela União. Também impacta a imunização com as vacinas cuja aprovação definitiva ainda não foi concedida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como são a Coronavac e a Janssen.

Ainda podem ser impactadas medidas de controle epidemiológico, como o controle de fronteiras e a lei de quarentena, além de ações na saúde financiadas com recursos públicos. Com o fim da emergência, devem ser derrubadas 170 regras relacionadas à emergência sanitária. O ministério da Saúde acionou a Anvisa para estender por mais um ano as autorizações emergenciais para as vacinas e medicamentos contra a covid-19 após a revogação da Espin.


Texto: Fritz R. Nunes com mais informações do Congresso em Foco/UOL
Foto: EBC
Assessoria de imprensa da Sedufsm

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: jornal Notícias Relacionadas

UFSM promove vacinação contra a Covid-19 na próxima segunda, 12

SVG: calendario 06/12/2022
SVG: tag COVID-19
Ação ocorre no campus sede da universidade, das 8h às 12h

Aumento de casos Covid-19: infectologista defende intensificação na vacina de reforço

SVG: calendario 02/12/2022
SVG: tag COVID-19
Alexandre Schwarzbold diz que cerca de 70 milhões de pessoas não tomaram a primeira dose de reforço

UFSM recomenda cuidados para evitar agravamento da Covid-19

SVG: calendario 30/11/2022
SVG: tag COVID-19
Instituição sugere retomada do uso de máscara facial e manter vacinação em dia

Veja todas as notícias