Reitoria da UFSM mexe na minuta de encargos didáticos docentes, mas não resolve sobrecarga de trabalho SVG: calendario Publicada em
SVG: atualizacao Atualizada em 28/08/23 19h03m
SVG: views 1639 Visualizações

Segundo reitor, proposta final deve ser encaminhada nos próximos dias aos Conselhos Superiores

Alt da imagem
Reunião da SEDUFSM com conselheiros(as) do CEPE sobre minuta dos encargos - maio de 23

Recentemente, no dia 14 de agosto, a Pró-Reitoria de Planejamento (PROPLAN) encaminhou ao Gabinete do Reitor Luciano Schuch uma proposta final de redação para a minuta de resolução que regulamenta o Plano de Atividades Docentes, o Cadastramento de Disciplinas e o Cômputo de Encargos Docentes. Já no dia 21 de agosto, o Gabinete encaminhou o documento ao reitor alegando que, se este concordasse com o conteúdo proposto, o tema seria enviado para os Conselhos Superiores. À Assessoria de Imprensa da Sedufsm, o reitor da UFSM afirmou que deveria encaminhar a minuta aos Conselhos ainda esta semana, contudo, até o fechamento desta reportagem, na tarde da sexta, 25 de agosto, não constava nova tramitação no Portal de Documentos da UFSM.

No Portal, diz-se que a última versão “apresenta algumas sugestões elencadas, considerando que foram realizadas reuniões com Unidades de Ensino e Sindicato dos Docentes da UFSM”. Contudo, na análise da vice-presidente da SEDUFSM, Márcia Morschbacher, a nova versão do texto não apresenta mudanças significativas de teor, não permitindo, portando, enfrentar a sobrecarga de trabalho observada no cotidiano do trabalho docente.

“Nossas propostas de estabelecimento de uma carga horária máxima de ensino (12h/semanais) e de ampliação da carga horária para as orientações de TCC, especialização, mestrado e doutorado foram desconsideradas [...] Trabalha-se muito mais do que o que é/será computado no Plano de Atividades Docentes”, pondera a dirigente da seção sindical.

Márcia explica que as únicas propostas da SEDUFSM consideradas dizem respeito à inclusão do cômputo de algumas atividades não contempladas na versão anterior da minuta, tais como coorientação, representação em entidade científica e editor de periódico. Contudo, para a docente, “chama a atenção a retirada da proposta do registro de carga horária para atividade de representação sindical”.

No capítulo II da última versão da minuta, por exemplo, a SEDUFSM havia feito três proposições para cômputo de carga horária nos Trabalhos de Conclusão de Curso, nas Disciplinas de Estágio e na Docência Orientada. Todas foram desconsideradas.

Já no capítulo III, seção I, que versa sobre os Encargos de Ensino, a seção sindical havia proposto retirar o “até” na proposição “de preparação de aulas e atendimento a alunos (as): a cada hora dos incisos I e II será computada até  1 (uma) hora para planejamento, atendimento ao(à) aluno(a) e avaliação das atividades discentes”. A modificação não foi acatada, bem como no trecho “os encargos didáticos de, no mínimo, 8 (oito) horas/semana deverão ser provenientes necessariamente do art. 5º, inciso I e II” também não foi aceita a sugestão de que metade dessas oito horas fossem destinadas à graduação (Magistério Superior) ou ao ensino médio (EBTT). Da mesma forma, o máximo de 12 horas de docência, proposto pelo sindicato, não foi considerado.

Outras proposições, relativas a cargas horárias das orientações de especializações lato sensu, de dissertações de mestrado e de teses de doutorado, também não foram consideradas.

Quando questionado por nossa Assessoria de Imprensa sobre por que as sugestões do sindicato não foram, em sua ampla maioria, acatadas, o reitor Schuch alegou que “muitas delas não batem com o que discutimos nas unidades. Mas estão não processo para os conselhos terem conhecimento das demandas”.

Segundo o gestor, ele e a vice, Martha Adaime, passaram em todas unidades de ensino debatendo a minuta (com professores, chefes de departamento e direção). Contudo, as propostas coletadas nos centros não estão anexadas no processo. Para Márcia Morschbacher, o tema alcançou pouco debate na instituição.

*Reunião aberta com a categoria sobre a minuta dos encargos - junho de 23

“Preocupa-nos muito que essa minuta esteja tramitando e vá para o CEPE desarticulada com a minuta que altera os critérios para a progressão e promoção docentes (amplamente rejeitada pelos/as docentes), pois ambas tratam de questões articuladas. De um lado, amplia-se e não se enfrenta a sobrecarga de trabalho e, de outro, mudam-se critérios na avaliação de desempenho, deixando de computar uma série de atividades que fazem parte do cotidiano docente”, reflete a vice-presidente da SEDUFSM.

Assembleia docente aprova nota sobre a minuta de resolução

Na manhã desta sexta-feira, 25 de agosto, as e os professores da UFSM, reunidos em assembleia convocada pela SEDUFSM, aprovaram, por unanimidade, uma nota em que afirmam entender que as alterações a serem enviadas aos Conselhos não combatem a precarização do trabalho docente. Agora, a nota que era da diretoria converteu-se em uma nota de assembleia. Leia na íntegra abaixo:

“A diretoria da Sedufsm vem a público questionar e rechaçar a proposta de minuta de resolução que altera as regras referentes aos encargos docentes. A proposta não foi amplamente discutida com a comunidade e não combate a precarização e o excesso de trabalho docente. Encaminhamentos da Sedufsm à Reitoria não foram levados em consideração no documento que está para ser encaminhado à votação no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE).

A última versão da minuta, de 14 de agosto, presente no processo 23081.14319/2022-33, faz com que os encargos docentes referentes ao ensino se mantenham muito altos, o que implica na qualidade do trabalho e na produtividade.

Ao contrário do que a Sedufsm solicitou, não há estabelecimento de uma carga horária máxima semanal para as atividades de ensino, assim como o registro do tempo de atividades de orientação de estudantes é insuficiente ou abaixo do que é efetivamente realizado. Isso implica que muito do trabalho docente não será computado no Plano de Atividades proposto na minuta.

Não podemos esquecer que a minuta de resolução dos encargos docentes recai sobre as progressões e promoções e se liga com a minuta de resolução que altera os critérios para ascender na carreira dos/as docentes do Magistério Superior (amplamente rejeitada pela categoria). Um/a docente com excesso de sala de aula não tem tempo para participar de projetos ou mesmo acessar a pós-graduação, podendo não pontuar o mínimo exigido. Ou, para que dê conta do ensino, pesquisa, extensão e gestão, precisa trabalhar muito mais, o que provoca adoecimento. As duas situações afetam a qualidade do trabalho.

Desde que a proposta de resolução surgiu, em dezembro do ano passado, a Sedufsm realizou uma série de ações para a sua discussão e modificação. Entre elas, o estudo de resoluções de outras IFES e reuniões abertas com a categoria. Houve, inclusive, um pedido para que a minuta de encargos docentes fosse discutida junto com a de progressão/promoção, o que não ocorreu.

Compreendemos que, para termos uma docência de excelência, é fundamental que o/a docente tenha condições de trabalho. Para isso, é preciso um amplo debate e que possamos construir juntos/as uma proposta que não vá em uma lógica de uma gestão universitária gerencialista, neoliberal e produtivista".

 

Texto: Bruna Homrich

Fotos: Arquivo Sedufsm

Assessoria de Imprensa da Sedufsm

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: jornal Notícias Relacionadas

Sindicato finaliza reuniões para construção de proposta de encargos docentes

SVG: calendario 05/12/2023
SVG: tag Minuta
Colaborações de docentes das Unidades serão importantes na elaboração de documento da Sedufsm que será enviado aos conselhos superiores

Sedufsm segue na construção colaborativa de nova proposta sobre encargos docentes

SVG: calendario 30/11/2023
SVG: tag Minuta
Reuniões buscam atender demandas dos professores e professoras, e se encerram terça-feira, em Cachoeira do Sul

Sedufsm intensifica debates para proposição de nova minuta sobre encargos docentes

SVG: calendario 24/11/2023
SVG: tag Minuta
As reuniões, que iniciaram dia 16 de novembro, seguem até dia 5 de dezembro contemplando centros e campi da UFSM

Veja todas as notícias