Manifestação ocupa ruas em defesa da educação SVG: calendario Publicada em
SVG: atualizacao Atualizada em 12/06/24 16h31m
SVG: views 285 Visualizações

Segmentos da UFSM realizaram marcha na tarde desta terça, 11 de junho

Alt da imagem
Caminhada saiu da praça dos Bombeiros e seguiu até o Calçadão de Santa Maria

Na tarde desta terça, 11 de junho, os três segmentos da UFSM se uniram para realizar uma marcha em defesa da educação pelas ruas de Santa Maria. Sedufsm, Assufsm, Sinasefe, DCE e Associação de Pós-Graduandos (APG), organizaram a atividade, que teve concentração na praça João Pedro Menna Barreto (praça dos Bombeiros), no centro de Santa Maria. O objetivo da manifestação foi mostrar ao governo federal a necessidade de negociar com os segmentos em greve das Instituições Federais de Ensino, que buscam, além de salário e carreira dignos, recomposição do orçamento.

Antes da Marcha, que saiu por volta das 15h da praça dos Bombeiros, passando pelas ruas Coronel Niederauer, Venâncio Aires, chegando até o Calçadão Salvador Isaía, houve animação musical, confecção de faixas e cartazes, e manifestações das lideranças sindicais e estudantis, que subiram no carro de som para dar seus recados. Uma das palavras de ordem mais ouvidas, expressa inclusive em faixas, era “Lula, negocia!”.

O presidente da Sedufsm, professor Ascísio Pereira, foi um dos que usou o microfone. Ressaltou que o anúncio do governo na segunda, 10, de um investimento de R$ 5,5 bilhões em universidades e institutos federais, era também resultado da pressão da greve. Ascísio ressaltou a importância da destinação de verbas, mas que ainda não é suficiente devido as defasagens que vinham se somando ao longo dos últimos anos.

Durante o ato na praça dos Bombeiros, dirigentes sindicais da Assufsm e do Sinasefe se revezaram em suas manifestações, falando da relevância do serviço público para atendimento da população. Já entre as lideranças estudantis, as falas lembraram, entre outros aspectos, da importância das instituições federais de ensino para auxiliar a combater os efeitos do desastre climático que se abateu sobre o RS e, nesse sentido, a prioridade em investimentos que devem ter.

Avaliação

Na avaliação da vice-presidenta da Sedufsm, Marcia Morschbacher, a marcha foi bastante positiva, na medida em que conseguiu reunir as entidades e os segmentos que as compõem em uma atividade unitária, numa semana bastante importante, de intensificação da mobilização, tendo em vista as duas reuniões de negociação com o governo marcadas para esta semana, sendo que uma delas, com os e as docentes, acontece na sexta, 14 de junho, no Ministério da Educação.

O calendário da semana previu ainda a realização de um ato nesta quarta, 12 de junho, em frente ao Restaurante Universitário (RU-1) no campus sede, em defesa da UFSM, e na sexta, 14 de junho, manhã e tarde, uma vigília dos professores e professoras no Lonão em frente ao prédio do Centro de Tecnologia (CT), em função da reunião marcada para ocorrer com o governo, em Brasília. Já a plenária unificada que havia sido marcada para esta quinta, às 16h, no Auditório do CCR (Flávio M. Schneider), foi adiada.


Texto: Fritz R. Nunes
Fotos: Fritz Nunes e Rafael Balbueno
Assessoria de imprensa da Sedufsm

 

SVG: camera Galeria de fotos na notícia

Carregando...

SVG: jornal Notícias Relacionadas

ANDES-SN assina acordo resultante da greve com o governo federal

SVG: calendario 28/06/2024
SVG: tag Greve 2024
Presidente da Sedufsm diz que conteúdo assinado foi o possível e recoloca o sindicato como protagonista

Sedufsm informa Reitoria sobre fim da greve e entrega moção de repúdio

SVG: calendario 28/06/2024
SVG: tag Greve 2024
Sindicato comunicou volta das aulas em 1º de julho e repassou documento aprovado em assembleia

Docentes da UFSM finalizam greve e aprovam retorno às aulas em 1º de julho

SVG: calendario 27/06/2024
SVG: tag Greve 2024
Assembleia também aprovou moção de repúdio à Reitoria devido à forma como foi encaminhado o calendário acadêmico

Veja todas as notícias